Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

Uber é multada em US$ 649 milhões por não tratar motoristas como funcionários

O valor corresponde a impostos atrasados, referentes a seguro desemprego e invalidez

O estado americano de Nova Jersey pediu que a Uber pague US$ 649 milhões por causa de impostos atrasados referente a contratações e empregos, referentes de seus motoristas. As autoridades dizem que a empresa de transporte por aplicativo classificou erroneamente os trabalhadores como prestadores de serviços independentes, e não como empregados.

O Departamento do Trabalho e Desenvolvimento da Mão de Obra emitiu a solicitação de pagamento nesta semana para a Uber e uma subsidiária, Raiser, após uma auditoria descobrir que US$ 530 milhões em impostos atrasados não pagos por seguro de desemprego e invalidez, entre 2014 e 2018.

“O Departamento de Trabalho e Desenvolvimento da Força de Trabalho de Nova Jersey está atacando a classificação incorreta dos funcionários porque isso sufoca nossa força de trabalho e inflige um enorme custo financeiro à nossa economia”, afirmou Robert Asaro-Angelo, comissário do departamento, em comunicado. Grupos trabalhistas elogiaram a ação de Nova Jersey.

Por causa do não pagamento, Nova Jersey está pedindo mais US$ 119 milhões em juros. O caso representa uma escalada na maneira como os estados americanos veem as práticas de emprego no centro de muitas empresas baseadas em aplicativos, e a primeira vez que um governo local solicita o pagamento atrasado de impostos, que tem centenas de milhares de motoristas nos Estados Unidos. Uma porta-voz da Uber disse que a empresa contestou as conclusões das autoridades estatais.

Nos Estados Unidos, estados e cidades se mobilizaram para controlar empresas de economia “alternativa” que dependem de mão de obra barata e independente, para reformular seus modelos de negócios. Até agora, essas empresas conseguiram reprimir as tentativas de alterar a tendência de décadas de terceirização e franquias. Os custos trabalhistas de empresas como Uber e Lyft – outro aplicativo de transporte de passageiros – podem aumentar de 20% a 30% se for exigido pelos órgãos reguladores ou pelos tribunais que tratem seus motoristas como funcionários, de acordo com estimativas do setor.

“É uma repreensão ardilosa aos arquitetos da economia ‘alternativa’, e esperamos que permeie outros setores”, disse Bhairavi Desai, diretor-executivo do Sindicato dos Trabalhadores em Táxis de Nova York, em um comunicado. “Nova Jersey está enviando a mensagem de que as leis trabalhistas do Estado não são ditadas pelas empresas”.

Por The New York Times

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.