Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

As situações em que vale mudar de emprego ganhando menos

O Globo

Cada vez mais, a decisão de mudança de emprego vem acontecendo por motivos relacionados ao desenvolvimento da carreira, qualidade de vida e ambiente de trabalho. Mas, em muitos casos, essa mudança esbarra no fato de o salário do outro emprego ser menor do que o atual. E aí, o que fazer? Para Ylana Miller, sócia-diretora da Yluminarh e professora da Ibmec, tomar qualquer decisão embasado em remuneração é uma atitude imediatista, que pode fazer com que a pessoa se distancie do seu real interesse e objetivo profissional, perdendo boas oportunidades.

— Por vezes, é necessário “dar um passo para trás” visando a novas perspectivas profissionais. O ideal é avaliar se a nova oportunidade está alinhada ao seu plano de carreira — diz Ylana.

Nessas horas, afirma a professora do Ibmec, a decisão deve ser muito bem planejada: é preciso conhecer e pesquisar sobre o novo ambiente de trabalho, perspectivas de desenvolvimento profissional, além de aspectos como liderança e qualidade de vida, para ver se a perda salarial vai valer mesmo a pena:

— Ressalto que escolhas profissionais devem ser planejadas e pautadas nos valores, crenças e necessidades de cada um. O plano de carreira é pessoal e intransferível. Invista no seu, mesmo que, em determinado momento, isso signifique receber um salário menor.

Autor do blog ‘Conversa de Elevador’, o coach Silvio Celestino acredita que a decisão de mudar de emprego para ganhar menos é apropriada se a qualidade de vida aumenta muito com a escolha. Para ele, a vida profissional deve ser conduzida tendo duas importantes referências: realização pessoal e financeira:

— Não dá para ser feliz fazendo apenas o que se gosta sem recursos financeiros. Tanto quanto não é possível a pessoa ter somente dinheiro e uma qualidade de vida ruim. Portanto, o equilíbrio entre esses dois fatores é o ponto mais relevante. Toda situação adversa, como muitas horas perdidas no deslocamento para o trabalho, chefes grosseiros, atividades que não lhe dão inspiração, pressão excessiva por prazos e resultados, criam condições para o esgotamento, que pode ser físico ou mental. A pessoa deve conhecer seu limite de suportar adversidades e, se chegar a ele, mudar, mesmo que para ganhar menos. O pior que pode acontecer com você não é diminuir seu padrão de vida, mas tentar sustentar um padrão às custas de sua saúde — afirma Celestino.

Outra situação importante, lembra o coach, é quando a pessoa foi demitida e não possui recursos para se manter por mais tempo na busca por melhores posições. Neste caso, a recomendação é aceitar o emprego com um salário menor e continuar a procurar uma outra oportunidade, ou esforçar-se para conseguir promoções o mais rápido possível.

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.