Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
Samsung Brasil é multada em R$ 10 milhões por assédio moral
Page/Post Excerpt

exame

A Samsung terá de pagar 10 milhões de reais por praticar assédio moral em sua sede em São Paulo. Além da indenização, a empresa será obrigada a veicular uma campanha contra esse tipo de abuso em emissoras de televisão, rádio e revistas, a partir de abril.

A punição é resultado de um termo de ajuste de conduta (TAC) firmado entre a companhia e o Ministério Público do Trabalho do estado (MPT-SP) para coibir os excessos.

O acordo foi feito em dezembro do ano passado, mas só agora foi divulgado. Ele determina que metade do valor da multa seja empregada nas peças publicitárias e que os outros 5 milhões sejam doados a instituições de caridade.

Segundo o MPT-SP, diversas denúncias de funcionários foram recebidas ao longo de 2013 e, no início de 2014, foi aberto o inquérito civil contra a fabricante de eletrônicos.

Casos

Entre os relatos, estariam casos de cobranças de metas abusivas, castigos e xingamentos de colaboradores e jornadas de trabalho excessivas.

Um dos denunciantes contou que foi chamado por um chefe de “preguiçoso” e “burro” durante uma reunião com diretores de toda a América Latina. Logo após o ocorrido, o superior ainda teria delegado a ele um “projeto trabalhoso” a ser cumprido dentro de um prazo praticamente impossível.

O mesmo colaborador disse que costumava trabalhar até a meia noite e nos fins de semana e que emagreceu seis quilos em quatro dias no período de execução de uma meta.

Houve também a denúncia de que uma funcionária teria sido demitida por ser “gordinha”. A alegação para a dispensa seria a de que “quem não tinha boa aparência não iria refletir uma boa imagem da Samsung”.

Além disso, vários empregados teriam sido acusados de roubar a companhia durante uma auditoria.

Pena

O TAC determina ainda que a Samsung realize todas as suas auditorias internas em português e proíbe que a empresa use “poder de polícia” ou qualquer método de coerção nesses processos.

A companhia também se comprometeu a coibir todas as condutas “abusivas, intimidadoras, desrespeitosas e discriminatórias” entre sua equipe e a apresentar ao MPT todas as denúncias de assédio recebidas internamente, bem como as medidas adotadas para corrigi-las.

Caso a Samsung deixe de veicular a campanha contra o assédio ou não faça a doação às instituições filantrópicas, terá de pagar uma multa extra de 5 milhões de reais.

Se a empresa não cumprir as obrigações para coibir os abusos, precisará pagar multa de 50 mil reais por trabalhador atingido.

Procurada, a Samsung alegou em nota que “a assinatura do documento não implica em reconhecimento de assédio moral individual a quem quer que seja”. A empresa disse também que respeita as leis e regulamentos de todos os países em que opera.

“Com o objetivo de garantir elevados padrões de conformidade, em todas as nossas unidades, mantemos canais de denúncia e realizamos inspeções regularmente”, completou.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.