Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

Quer curtir o Carnaval, mas sua empresa não vai dar folga. Pode isso?


Se você está contando com uma folga prolongada do sábado até o meio-dia da Quarta-Feira de Cinzas, é melhor tomar cuidado. O Carnaval não é um feriado nacional. Apenas alguns Estados e municípios decretaram feriado na terça-feira –é o caso do Estado do Rio de Janeiro e da cidade de Salvador (BA), por exemplo.

Nos lugares onde não é feriado, as empresas têm o costume de liberar seus funcionários, mas elas podem manter o trabalho normalmente nesses dias, segundo advogados trabalhistas.

Quem faltar pode ser demitido?

Se a empresa determinar que o funcionário trabalhe no Carnaval, mas ele decidir faltar, pode ter os dias descontados do salário ou receber uma advertência, de acordo com a advogada Marcia Bello, coordenadora de relações do trabalho do escritório Sevilha, Arruda.

A falta em si não é motivo para uma demissão por justa causa, segundo a advogada. A menos que seja um problema recorrente. A empresa deve analisar se o funcionário já tem um histórico de faltas e se já foi punido com advertências ou suspensão em outras ocasiões. “Só assim a demissão por justa causa pode ser considerada”, diz.

Quem trabalha recebe em dobro?

Quem trabalha no Carnaval não tem direito, necessariamente, a receber o salário em dobro, de acordo com Bello. Isso só acontece nos Estados e municípios onde a data é considerada feriado.

A advogada afirma, no entanto, que alguns tribunais trabalhistas têm entendido que a terça-feira de Carnaval pode ser considerada um feriado, mesmo que a lei não diga isso, considerando os usos e costumes, e que deve ser pago o salário em dobro a quem trabalha na terça-feira. Ela diz, porém, que essas decisões são uma minoria.

Folga pode ser compensada em outros dias?

Nos locais em que o Carnaval não é feriado, as empresas que derem folga a seus funcionários podem exigir que as horas não trabalhadas nos dias de folia sejam compensadas depois ou descontadas de um banco de horas, segundo Danilo Pieri Pereira, advogado trabalhista e sócio do escritório Baraldi Mélega Advogados.

“Se o funcionário folgar nos dias de Carnaval, a empresa poderá exigir que ele cumpra essas horas descansadas em outros dias, com exceção do domingo, respeitado o limite máximo de duas horas extras diárias”, afirma.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.