Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

Para 66% dos profissionais LGBT+, assumir sexualidade pode prejudicar a carreira

Pesquisa exclusiva da Love Mondays mostra o sentimento de profissionais LGBT+ sobre o mercado de trabalho


Neste domingo, 23, aconteceu a 23ª edição da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo. E a manifestação na Avenida Paulista não contou apenas com a presença de cidadãos e turistas celebrando e protestando, mas também com empresas.

Eles não buscam só a visibilidade do público, estimado em 3 milhões durante o domingo. Segundo a consultoria McKinsey, a inclusão dentro de companhias pode representar resultados financeiros até 21% melhores do que em outras empresas.

Além de grandes patrocinadoras, como o Uber, Amstel, Burger King e Avon, companhias como a Microsoft e Salesforce incentivam a ida de funcionários ao evento e dão seu apoio à causa.

No Brasil, a inclusão de diversidade ainda é um tema pouco debatido nas empresas e os profissionais que se identificam como LGBT+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais, Queer, Intersexo e Assexual) não se sentem confortáveis para se assumir no ambiente de trabalho.

Segundo a pesquisa exclusiva da Love Mondays, 66% dos profissionais LGBT+ acreditam que assumir sua identidade poderá ferir sua carreira. E 62% não tentariam uma vaga em empresa que não apoia a causa LGBT+.

A pesquisa foi feita entre os dias 6 e 11 de junho, com 1.544 respondentes LGBT+. Desses, 126 são transexuais.

De acordo com a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), a cada 48 horas, uma pessoa trans é assassinada no Brasil. Entre os profissionais que se identificaram como trans, 53% acreditam que se assumir poderia prejudicar sua carreira.

No mercado de trabalho, 35% dos profissionais LGBT+ contam que já sofreram algum tipo de discriminação no trabalho. No grupo trans, o número sobe para 40%.

Neste mês, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu enquadrar a homofobia e a transfobia como racismo. Os ministros ainda têm três ações relacionadas à comunidade: o uso de banheiro por transexuais, a doação de sangue por homens homossexuais e o bullying homofóbico contra crianças nas escolas.

Segundo a Antra, 90% dos trans ganham a vida se prostituindo por falta de alternativas, tendo dificuldade para concluir seus estudos e para entrar no mercado de trabalho formal.

Na pesquisa da Love Mondays, 34% dos respondentes trans não sentem que podem ser eles mesmos dentro do ambiente de trabalho. E 54% não tentariam vagas em empresas que não apoiam a causa.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.