Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

O que faz os candidatos desistirem de uma vaga de emprego

O comportamento dos candidatos está mudando e existe uma coisa que mais os irrita na hora de tentar uma vaga


(katleho Seisa/Getty Images)

Era uma vaga muito engraçada. Não tinha salário, não tinha nada. A falta de descrições e informações nas vagas de emprego é uma frustração já comum na rotina de quem procura uma nova oportunidade. E nem é o que os profissionais mais odeiam.

É como comprar um produto online, mas sem ter as informações básicas para fazer a escolha correta para você. Segundo Ana Paula Prado, Country Manager do InfoJobs, cada vez mais o comportamento dos profissionais se assemelha ao do consumidor.

“A ideia de marca empregadora é cada vez mais importante, só que ainda é algo muito novo. As empresas precisam perceber que falam com pessoas, o candidato e o colaborar são consumidores da sua marca”, explica a gerente.

Em pesquisa feita com 500 profissionais, o InfoJobs percebeu uma mudança no comportamento dos candidatos em relação às vagas.

Para 70,2% dos respondentes, a reputação da marcar empregadora é um fator importante ou muito importante para aceitar uma proposta de emprego.

E 76,2% disseram procurar por páginas de opinião e redes sociais sobre a empresa antes de tentar uma vaga.

“O papel do RH é executar a estratégia de marca de passar bem para o mercado a realidade da empresa, como é atuar ali dentro, e se preocupar em entender como vai ser a jornada do candidato”, explica ela.

Se essa jornada do candidato e funcionário for bem-feita, os contratados viram os maiores promotores da marca da empresa.

Para a gerente, a demanda dos candidatos é por mais transparência por parte das empresas. Mesmo em vagas que precisam ser trabalhadas com confidencialidade, ainda é esperado que o empregador forneça informações para que a pessoa faça sua escolha.

As maiores reclamações

O comportamento mudou, mas algumas das reclamações dos candidatos continuam as mesmas: na pesquisa, 43,8% dos entrevistados apontaram a falta de feedback como o que menos gostam nos processos seletivos.

Mesmo com a possibilidade de automatização das respostas para ajudar o trabalho do RH, os candidatos ainda sentem a falta de uma devolutiva mais personalizada – ou qualquer sinal de que a vaga já foi preenchida.

Em segundo lugar, 26,4% disseram que não gostam de processos com muitas etapas. E 12,8% se queixaram de testes muito longos.

“A pessoa não pode sentir que está perdendo tempo no processo. A cada etapa, a pessoa vai checar se aquela empresa é certa para ela. A transparência tem que ocorrer dos dois lados. E o candidato pode pedir por mais clareza sobre as etapas de seleção e a vaga em si”, conta a gerente.

E quando as informações que recebem não são do agrado do candidato, ele acaba abandonando a vaga. Mais do que não ter dados claros no anúncio da vaga, o que os candidatos odeiam a ponto de desistir de um processo é a divergência de informações.

Se a mentira no currículo pode eliminar um candidato, vender um “produto falso” ao profissional custa caro para a empresa. Não é surpresa que 87% das pessoas na pesquisa disseram que gostam quando um anúncio tem todas as informações necessárias.

Confira os quatro motivos que fazem um profissional desistir de uma vaga de emprego:
  • Divergência de informações entre a proposta e o contato com o recrutador (35,7%);
  • Salário incompatível com o mercado de trabalho (31,4%);
  • Percepção negativa da empresa (18,8%);
  • Insegurança para preencher a vaga (10,3%).

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.