Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

Não tenha vergonha de falar sobre isto no trabalho

Ainda há chefes que pensam ser donos da carreira dos subordinados. Mas quem manda em sua trajetória é você mesmo


O ato de levantar a mão é ensinado no início da jornada educacional, como uma maneira educada de chamar a atenção do professor ou da professora para tirar dúvidas, fazer comentários ou pedir favores. Treinamos as crianças para que elas aprendam a chamar a atenção de maneira silenciosa e respeitosa.Mas esse ato não fica restrito apenas à infância. Temos que levá-lo para nosso dia a dia profissional.

Por muitos anos, trabalhou-se com o pressuposto de que a gestão da carreira era responsabilidade da empresa, da chefia e da área de recursos humanos. Isso fazia com que as pessoas adotassem uma atitude passiva em relação às oportunidades: era preciso esperar o convite do superior imediato para avançar.

Falar com colegas e chefes sobre as próprias realizações ou mencionar um curso importante era visto como “marketing pessoal”. Nesse cenário, cometiam-se dois erros. O primeiro era inibir a pessoa de divulgar suas realizações; o segundo, dar sentido pejorativo a uma ciência fundamental às organizações, o marketing.

Com o passar dos anos, foi ficando claro que a trajetória de carreira pertence a cada um dos profissionais e que cabe a nós administrar nossa evolução na empresa.

Mas essa mudança de paradigma trouxe um desafio: ensinar aos trabalhadores o velho ato de levantar a mão para chamar a atenção dos líderes. “Olha eu aqui! Terminei minha pós-graduação e estou pronto(a) para novas oportunidades”; “Olha eu aqui! Terminei meu curso de inglês e estou pronto(a) para discutir uma expatriação”; “Olha eu aqui! Estou fazendo um trabalho voluntário que reforçou minhas habilidades pessoais.”

Tudo isso parece simples. Mas não é. Os anos de passividade e o fato de ainda termos uma ou duas gerações de chefes que pensam que são os donos da carreira de seus subordinados dificultam até hoje o exercício de levantar a mão.

Os jovens millennials, por sua vez, já entram nas companhias com os dois braços erguidos, clamando por chances e falando de si mesmos com propriedade. Lideranças antigas, infelizmente, tentam desclassificá-los — dizendo que não passa de uma geração imediatista.

Mas os profissionais não devem se intimidar. É preciso levantar a mão! Exponha suas realizações, fale sobre as atividades extras que realiza fora do escritório, mostre que está pronto para novos desafios. Não fique esperando ser conhecido — ou reconhecido. A carreira é seu maior patrimônio. Zele por ele.

Por Luiz Carlos Cabrera

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.