Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

Homem trans ganha licença-paternidade na Prefeitura do Rio

Glauco Vital é o primeiro funcionário público do Rio a conseguir o benefício de 20 dias


O sonho de ser pai sempre esteve vivo na mente de Glauco Vital. Homem transexual há seis anos, o carioca de 49 anos realizou o desejo há quase um mês, quando nasceu a pequena Giovanna, fruto do relacionamento de quatro anos com a enfermeira Marcela Santoro, de 34 anos.

Funcionário da Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual do Rio de Janeiro (CEDS), ele quebrou duas barreiras na vida: a da paternidade e o de ganhar o direito à licença-paternidade para cuidar da mulher e do bebê que nasceu no dia 12 de novembro.

O benefício foi dado pela Prefeitura do Rio, que pela primeira vez concedeu este direito trabalhista para um homem trans. Glauco ficou os 20 primeiros dias de vida acompanhando de perto o dia a dia de Giovanna, dando banho, ajudando a colocar para dormir e prestando todo o suporte necessário para mulher.

“É uma oportunidade. Sei que sou responsável por abrir portas para que outros homens trans possam ter esse direito e usá-lo. Esses primeiros dias são momentos importantes e complicados. Mas é muito bom para criar esse vínculo com o bebê, ela olhar que sou pai. É o sonho de uma vida inteira, e esses 20 dias são essenciais para isso. Se tivesse trabalhando, não seria a mesma coisa. Todos os pais merecem sim”, diz.

A família tentou a primeira inseminação no ano passado, quando Marcela chegou a engravidar de um menino, mas a gestação foi interrompida. Na segunda tentativa, Giovanna veio para ficar e quase fez o novo pai desmaiar de tanta emoção.

“Foi maravilhoso ser pai. Assisti ao parto, chorei e quase desmaiei (risos). É importante estar em casa ao lado da minha esposa para poder ajudar”, diz.

O Coordenador Especial da Diversidade Sexual do Rio, Nélio Georgini, Glauco além de ser um funcionário dedicado e exemplar é um ser humano iluminado.

“Estar hoje como chefe do Glauco é uma motivação. É uma história de vida que vale a pena ser contada e ouvida. São anos de reivindicações por inclusão, respeito, e lutas por direitos. Cada LGBT sabe exatamente o que é uma batalha diária contra o preconceito. Para a comunidade trans a luta é ainda mais difícil, por isso, é nosso dever lutar juntos”, reitera Georgini.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.