Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

Google adia retorno aos escritórios e planeja jornada flexível

Funcionários irão trabalhar presencialmente em ao menos três dias da semana


(Omar Marques/SOPA Images/LightRocket/Getty Images)

O Google se tornou conhecido não apenas pelo seu buscador, mas por mostrar ao mundo um novo modelo de escritório, prezando pelo bem-estar dos funcionários. Com a pandemia do novo coronavírus, a empresa adiou os planos de retorno ao trabalho presencial para setembro de 2021, quando testará um novo modelo, com jornada “flexível”.

Em comunicado distribuído aos funcionários na noite de domingo, o diretor executivo da Alphabet, dona do Google, Sundar Pichai, informou que a companhia irá testar um novo formato de trabalho, com ao menos três dias no escritório para “colaboração” e os outros em trabalho remoto.

“Nós estamos testando a hipótese de que o modelo de trabalho flexível vai aumentar a produtividade, a colaboração e o bem-estar”, escreveu Pichai no e-mail, obtido pelo New York Times. “Nenhuma companhia com a nossa escala já criou um modelo de trabalho totalmente híbrido — apesar de algumas estarem começando —, então será interessante testar”.

Mas não há um cronograma para implantação do novo modelo. Os funcionários só retornarão aos escritórios quando for seguro, e a pandemia está em diferentes estágios entre os países. E o formato flexível não deverá ser aplicado a toda a força de trabalho. Empregados que lidam diretamente com clientes ou que atuam em data centers e laboratórios deverão ficar de fora.

O Google foi uma das primeiras companhias americanas a transferir seus funcionários para o trabalho remoto por causa da pandemia. E, desde então, vem repetidamente adiando o retorno. A primeira previsão era janeiro de 2021, depois julho e, agora, setembro.

Após quase nove meses de trabalho remoto, as empresas enfrentam o desafio de como reabrir seus escritórios. A ViacomCBS, por exemplo, optou pelo modelo híbrido, vendo uma oportunidade de reduzir seus custos com imóveis. Já Reed Hastings, CEO do Netflix, não vê aspectos positivos no home office, classificando-o como “puramente negativo” por impedir a discussão de ideias pessoalmente.

O Google, que revolucionou o mundo corporativo com os escritórios casuais, oferecendo comida liberada, espaços de lazer e até tempo livre para os funcionários, planeja outras mudanças além da jornada flexível. Os espaços ao ar livre serão reservados para grandes reuniões, e funcionários poderão reservar estações de trabalho nos escritórios.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.