Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

Ex-diretor do Tinder no Brasil conta seu maior erro quando virou chefe

'Teve uma fase peculiar que fazia tudo errado a respeito do que gosto de pregar agora sobre liderança e gestão de times', conta Andrea Iorio


(Divulgação/Divulgação)

Andrea Iorio é italiano, estudou nos Estados Unidos e mora há nove anos no Brasil. Ele é economista, fez mestrado em Relações Internacionais, mas nunca trabalhou com nada disso. Ele passou pelo Groupon, pelo Tinder e pela L’Oréal. “Minha trajetória não faz muito sentido, mas talvez o segredo esteja justamente nisso”, conta o agora palestrante e escritor no podcast Como Cheguei Aqui, da Exame.

Para ele, a trajetória tortuosa da carreira é uma vantagem competitiva em um mercado de trabalho cada vez mais complexo. Sua especialidade se tornou saber um pouco de tudo e saber muito sobre a liderança em negócios digitais.

No começo da sua experiência com liderança no Groupon, ele encontrou uma fórmula que o guiaria em outros momentos da carreira: a experimentação e erro. “Sair na rua com meu time, falhar junto com eles e refletir em cima do erro”, fala ele. Na carreira, ele considera que está sempre em versão “beta”.

Falando em errar e aprender, Iorio relembra a dificuldade em assumir o seu primeiro cargo de chefia no Groupon. “Gosto de brincar que nos meus 3 anos e pouco no Grupo, eu dormia igual uma criança. Ou seja, acordava de duas em duas horas chorando, devido a ansiedade que esse trabalho me dava no dia a dia. Confesso que foi uma escola”, conta.

E ele confessa que foi um desafio quando entrou numa posição em que não tinha experiência: a de chefia. Foi com sua capacidade de aprender e adaptabilidade que conseguiu atravessar as dificuldades, mas não sem precisar lidar com um erro comum entre os líderes de primeira viagem.

“Teve uma fase peculiar que fazia tudo errado a respeito do que gosto de pregar agora sobre liderança e gestão de times”, admite ele.

O micro gerenciamento é um dos grandes pecados das lideranças. O chefe controlador afeta a produtividade e a confiança dentro das equipes. Segundo pesquisa do Google, os melhores gerentes fazem o oposto disso: eles empoderam seus liderados.

Querer saber os pormenores do que cada funcionário faz. Checar as agendas e exigir um número de reuniões. Saber cada passo do dia de sua equipe. É muito trabalho que não tem resultados positivos na entrega e ainda prejudicam a relação.

Para Iorio, a consequência do controle foi a quebra de confiança. Seus funcionários mentiam para ele sobre e-mails, telefonemas e reuniões. Depois de um momento de frustração ao descobrir a farsa, ele passou a refletir sobre a origem do problema e percebeu que era ele quem estava errando.

“Quando mais eu controlava, menos eles sentiam que eu confiava neles. Esse erro marcou muito o começo da minha carreira”, diz.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.