Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

Estrela no auge da crise: este perfil profissional está em baixa


Se você domina um grande leque de temas, mas não conhece profundamente nenhum deles, aí vai um alerta: profissionais com perfil generalista estão começando a perder espaço no mercado de trabalho brasileiro.

Desde o início do ano, a oferta de emprego para especialistas aumentou entre 10% e 30%, segundo um estudo da consultoria de recrutamento HAYS Experts. Os generalistas, proporcionalmente, passaram a ser menos solicitados.

A tendência aparece com força nas áreas de tecnologia e saúde, mas foi percebida em todos os segmentos de atuação da consultoria, tais como finanças, vendas, marketing, engenharia, logística, bancos, óleo e gás e RH.

O que mudou?

Segundo Raphael Falcão, diretor da HAYS Experts, o perfil versátil e “multitarefa” era tido como ideal para o período mais agudo da crise — quando as demissões em massa geravam um acúmulo de diversas funções sobre os ombros de um único profissional.

Agora, com os primeiros sinais de uma retomada econômica, a atenção dos empregadores se volta novamente para quem tem conhecimentos mais profundos e específicos sobre uma determinada área.

“O que temos observado é que as empresas veem a situação econômica do Brasil com mais otimismo, mas ainda assim estão bastante cautelosos”, explica Falcão. “Os investimentos começaram a ser desengavetados, mas ainda de forma muito seletiva e controlada”.

O especialista, sobretudo em áreas mais técnicas, é aquele que pode trazer resultados da forma mais planejada, eficiente e precisa possível — algo que combina com o momento atual de muitas empresas, que querem pôr a mão no bolso, mas ainda mostram forte aversão ao risco.

Isso não quer dizer que os empregadores não estejam mais interessados em profissionais curiosos e interessados no negócio como um todo, traços comportamentais que costumam ser entendidos como o diferencial do generalista.

“O mercado ainda quer pessoas com visão sistêmica e interdisciplinar, isso não mudou; o que as empresas querem é que, além desse olhar para o geral, o profissional também seja especialista em alguma área, em alguma entrega”, afirma Falcão.

A isso se soma o fato de que atividades mais generalistas, à exceção daquelas voltadas à gestão, podem ser mais facilmente terceirizadas ou até automatizadas. Por outro lado, é muito mais difícil substituir quem sabe “tudo” sobre um determinado assunto.

Como se destacar?

“Você se destaca a partir do momento em que se especializa”, afirma Falcão. “Ao contrário do generalista, que tem diversas formações, olha para todos os lados, mas no fim não toma decisões, o especialista está a par de tudo o que acontece em seu segmento e influencia diretamente a estratégia do negócio”.

Nesse contexto, investir na própria formação se torna mais decisivo do que nunca para o sucesso profissional— desde que você escolha uma área de especialização que realmente faz sentido para a sua carreira.

Como o futuro do mercado de trabalho é uma incógnita, o conselho de Falcão é buscar cursos de pós-graduação em uma linha com que você tenha alguma afinidade. “Não precisa amar o assunto, mas é importante gostar,”, explica. “Se você não for genuinamente interessado naquele tema, dificilmente terá motivação para se aprofundar nele”.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.