Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

Estes são os profissionais digitais mais disputados pelo mercado

Levantamento inédito mostra a demanda por habilidades e profissionais para a transformação digital nas empresas brasileiras


O mundo dos negócios está mudando e 88% das acreditam que precisam de profissionais digitais se quiserem se manter competitivas, segundo a pesquisa inédita Paradigma Digital, uma parceria entre o Talenses Group e a Digital House.

Mas o que é esse profissional digital? Para quem ficou preocupado, os presidentes das empresas responsáveis pela pesquisa contam que o perfil não está relacionado a uma graduação, curso, área ou especialidade específica, muito menos a um perfil jovem.

E isso torna mais difícil para que executivos e gestores definam por onde começará a transformação digital da empresa. O define um profissional digital, o que todos desejam contratar, é sua mentalidade ágil e flexível.

“Ao contrário do que muitos pensam, a mentalidade digital não é conhecer tecnologia, mas entender a cultura e modo diferente de trabalho que vieram com ela. Você pode ser nativo da economia digital ou ter aprendido depois, mas é preciso ser ágil, ter uma entrega veloz e não ter medo de errar”, comenta Carlos Alberto Julio, presidente da Digital House.

A palavra de ordem é ruptura. Para Luiz Valente, presidente do Talenses Group, esse tipo de profissional trabalha olhando para a inovação e questiona a forma como o processo está estruturado.

“Estamos em momento acelerado de transformação, todos os segmentos estão sendo impactados e temos uma carência de dados sobre a realidade que o mercado enfrenta na busca de profissionais e qualificações”, comenta Valente.

Em meio a preocupações com o futuro do trabalho, a pesquisa mostra um recorte do momento de transformação digital e procura por profissionais especializados por qual o Brasil e as empresas estão passando.

A pesquisa foi feita com 102 empresas no segundo trimestre de 2019. A maioria das participantes tem grande porte, com mais de 500 funcionários, e com sede no sudeste do Brasil.

O perfil para o profissional digital traçado pelas empresas mostra que elas procuram contratar pessoas com as seguintes características:

  • Inovador (13%)
  • Aprendizado contínuo (11%)
  • Adapta-se com facilidade (10%)
  • Colaborativo/Pensamento lógico/Analítico/Criativo (9%)
  • Inteligência Emocional (7%)

Segundo o relatório, dentro das empresas, a área de Tecnologia da Informação representa 67% da demanda por contratações. No entanto, a área de finanças ficou em segundo lugar, com 64% da demanda. Depois aparecem as áreas de Logística, Jurídico e Engenharia com demandas por habilidades digitais.

Dois pontos preocupantes do cenário atual destacados pela pesquisa estão relacionados com a adaptação da mão de obra para o novo modelo de trabalho. De acordo com o levantamento, quanto mais alto o cargo e maior a experiência exigido, mais difícil fica contratar.

Da mesma forma, a maioria das empresas não oferece treinamentos ou bolsas de estudo para que seus funcionários mais antigos possam se atualizar.

“É muito preocupante o baixo nível de investimento no treinamento de profissionais. A transformação digital é feita em velocidade crescente e exponencial, a demanda por profissionais capacitados é crescente e rápida. E não me parece que os setores estão se preparando para isso”, fala Valente.

O presidente da Digital House explica que as grandes empresas de tecnologia, como Google, Facebook, Decolar e iFood, responsáveis por movimentos disruptivos na economia, criaram suas formas próprias de atrair talentos e formá-los dentro da empresa.

“A escassez de mão de obra capacitada que temos agora acontece quando empresas tradicionais, como bancos, laboratórios farmacêuticos ou empresas de varejo começam a gerar a demanda pelos funcionários digitais e tirá-los dessas empresas que já tinham seu ecossistema digital”, diz Julio.

Entre os cargos com maior demanda, o executivo vê um impulso gerado por empresas começando sua adaptação para o digital, buscando formas para integrar bancos de dados e usá-los para o crescimento do negócio.

Confira o ranking dos profissionais mas buscados pelas empresas:

1. Analista de Dados – Business Intelligence – 13%
2. Analista de Marketing Digital – 10%
3. Cientista de Dados – 9%
4. Especialista em Customer Experience – 9%
5. UX/UI Designer – 8%
6. Product Owner / Scrum Master / Especialista de Inteligência Artificial – 7%
7. Programador Web / Product Manager – 6%
8. Analista ou especialista em automação / Especialista em Cloud Architect – 5%
9. Analista de Infra / Analista de Telecom – 4%
10. Analista de Teste e Qualidade / Programador Mobile Android / Programador Mobile IOS – 3%

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.