Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

Está liberado o trabalho aos domingos e feriados para todas as atividades?

Segundo a Constituição, todo trabalhador com vínculo de emprego tem direito a um dia de descanso na semana, que será remunerado


Conforme a Constituição Federal, todo trabalhador com vínculo de emprego tem direito a um dia de descanso na semana, que será remunerado. Isso significa que mesmo não trabalhando, o empregado recebe o valor correspondente a um dia de trabalho. Assim, quando o salário mensal é estipulado, neste já está incorporado o pagamento dos dias de descanso.

Além disso, a Constituição Federal também estabelece que o descanso deve ser preferencialmente aos domingos. A CLT, por sua vez, também determina, como regra geral, que ocorra preferencialmente no domingo, porém, permite o trabalho dominical se o serviço exigir e se houver autorização do Poder Executivo nesse sentido.

A autorização pode ser dada de forma individual a um empregador ou de maneira geral a toda uma atividade, como ocorre em relação ao comércio, por exemplo. Ainda, havendo trabalho aos domingos, deve ser feita uma escala de revezamento entre os trabalhadores.

O mesmo se dá em relação aos feriados. Os dias considerados feriados são definidos em lei e nestes só é permitido o trabalho nas empresas em que houver autorização para tanto, devendo o dia trabalhado ser compensado com uma folga em outro.

A Medida Provisória nº 905 eliminou a necessidade de autorização para o trabalho em domingos e feriados. Com isso, a empresa pode exigir o trabalho nesses dias independentemente de autorização, mas deve respeitar um limite estabelecido pela MP.

Dessa forma, o descanso deve coincidir com o domingo, no mínimo, uma vez, no período máximo de quatro semanas, para os setores de comércio e serviços e, no mínimo, uma vez, no período máximo de sete semanas para o setor industrial.

Portanto, respeitados esses limites, o trabalho em domingos e feriados está permitido para qualquer atividade, sem a necessidade de autorização. Ressaltamos, contudo, que a MP tem prazo de vigência de 60 dias, podendo ser renovada por mais 60. Caso não seja convertida em lei pelo Congresso ela perde validade.

Por último, é importante destacar que a nova regra pode ser questionada perante o STF, diante da previsão constitucional de que o descanso ocorra preferencialmente aos domingos.

Por Marcelo Mascaro, sócio do escritório Mascaro Nascimento Advocacia Trabalhista

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.