Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
Dificuldades em fazer contas e persistir em tarefas limitam salário no Brasil
Page/Post Excerpt


Os brasileiros e os vizinhos latino-americanos sofrem de profunda escassez de habilidades valorizadas no mercado de trabalho, como a capacidade de fazer contas e de persistir em tarefas.

É o que mostra estudo do CAF (Banco de Desenvolvimento da América Latina) que mensurou o grau de desenvolvimento das características que contribuem para o sucesso individual e o crescimento econômico entre os trabalhadores da região.

A pesquisa, feita em dez cidades, incluindo São Paulo, revela que, mesmo entre aqueles com ensino superior, a capacidade de fazer contas simples -que tem grande efeito sobre salários- é limitada.

Só 40% dos paulistanos com curso superior conseguem calcular quanto um artigo que custa 2/3 de seu preço original valia inicialmente. Na média da região, o nível de acerto foi de 53% entre indivíduos com ensino superior.

“Esses resultados mostram que o problema de acumulação de habilidades é generalizado, embora seja mais sério para indivíduos com menor nível socioeconômico”, diz a economista Dolores de la Mata, uma das coordenadores do estudo do CAF.

A pesquisa busca avaliar três conjuntos de habilidades. Um deles – no qual a capacidade de fazer contas está incluída – abrange as habilidades cognitivas, associadas ao conceito de inteligência.

O outro cobre as chamadas competências socioemocionais, que são características pessoais como perseverança, empatia e a capacidade de se recuperar de problemas.

Um terceiro grupo inclui o desenvolvimento físico, que está muito ligado à saúde.

Pesquisas realizadas para países desenvolvidos têm medido o impacto dessas habilidades na vida das pessoas.

O estudo do CAF tenta mensurar esses efeitos para a América Latina como um todo. Análises já feitas na região normalmente se restringiam a casos individuais de países. Os resultados mostram que algumas habilidades têm grande impacto na renda dos latino-americanos.

Profissionais com habilidades numéricas um “degrau” (ou desvio padrão) acima da média têm salários 8,4% maiores. O cálculo desconta os efeitos de outros fatores como gênero, escolaridade e nível socioeconômico.

Em segundo na lista das habilidades com impacto sobre a renda vem a tolerância ao risco (7,5% a mais para cada “degrau” acima da média) e, depois, as habilidades físicas (5,9%). Em quarto, a persistência (5,4%), característica também escassa entre brasileiros e latino-americanos.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.