Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

Deu branco depois do estudo? Conheça estas técnicas de fixação de conteúdo

Estudantes e especialistas indicam como estimular a aprendizagem com técnicas simples e eficientes

Vários fatores podem atrapalhar na hora do estudo: dificuldade de concentrar, ansiedade, cansaço, desânimo, entre outros. Mas se o conteúdo não é fixado corretamente, todo o esforço para aprender é em vão. Além de entender, é preciso reter na memória o conhecimento. Confira alguns métodos para fixar o conteúdo.

O que ajuda na fixação de conteúdo?

Corpo sã, mente sã

Depois de oito anos estudando inteligência humana, o psiquiatra Pablo Vinícius fundou o Instituto PARC (Programa de Alto Rendimento Cognitivo) e reuniu uma série de métodos e pesquisas para otimizar o desempenho intelectual. Para ele, o primeiro passo é cuidar da saúde.

“Cada célula do seu corpo tem que ser otimizada. Ninguém vai aprender nada se não estiver bem.”

“As escolas e cursinhos investem em professores, métodos e estruturas e não garantem o básico que é a condição do aluno. Ter saúde plena é fundamental. A partir disso, podemos intervir com métodos de ensino”, defende.

Pablo também acredita que é essencial observar o cronotipo de cada indivíduo. “Todas as células têm um melhor horário de funcionamento. Um dos segredos é estudar quais são os melhores para o rendimento intelectual. Isso é muito individual, cada um tem o seu. Mas a pessoa vai aprender mais focando os esforços nos horários adequados”, garante.

Hora certa para tudo

Estudando no horário correto, o estudo rende mais, garante Pablo. “Todo mundo se pergunta por quanto tempo estudar. O cérebro tem uma tendência de reter as primeiras ou as últimas informações estudadas. Então, os blocos de estudos têm que ser curtos, de 20 a 30 minutos, com repouso de 5 a 10 minutos. Assim, você aumenta a quantidade de informações retidas”, ensina.

O psiquiatra também defende que métodos de estudo que associam vários canais de informações são mais eficientes. “Se você só lê, sua absorção vai ser de 30%. Se você ler e falar, já aumenta. Se você ler, falar, fechar os olhos e pensar sobre o conteúdo, a absorção é maior ainda. Então minha dica é utilizar a maior parte das ferramentas sensoriais no estudo: leia, fale, pense, escute e ensine”, dita.

Matéria aplicada na realidade

Já o pedagogo especialista em gestão escolar Marco Elvis Alcântara acredita que não existe segredo para fixar bem conteúdo. Ele aposta que o método mais eficaz é fazer exercícios com abordagens diferenciadas.

“O conteúdo só vai ser fixado se ele fizer sentido. Para isso, é importante fazer analogias com seu dia a dia e coisas da sua realidade”

O diretor pedagógico sugere fazer exercícios práticos, estudos de caso e de campo, comparações e análises. “Isso faz com que o estudante tenha um papel mais ativo no aprendizado. Antes, se desenvolvia habilidades e competências, mas não atitude, porque eles não sabiam usar o que aprendiam. Só memorizavam o suficiente para passar na prova”, repreende.

Marco considera que o Brasil passa por uma mudança na abordagem educacional. “Provas como o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) já trazem questões que são baseadas mais em vivência do que em teoria. As pessoas não entendem o formato porque foram educadas no sistema antigo, mas assim é mais efetivo”, garante. Para ele, a repetição só funciona para a aprendizagem de línguas estrangeiras.

O caminho para a aprovação

Aprovado no concurso da Polícia Civil (DF) para agente policial, em 2013, Tassio Correa, 32 anos, nunca foi um aluno exemplar. Focado na aprovação, ela conquistou a vaga apostando em flashcards e aplicativos. “Eu estudei bem focado durante três meses, todos os dias. Mas eu já tinha uma base de conteúdos gerais. Praticava durante toda a tarde e noite”, lembra.

Para o policial, as pessoas se acostumaram a estudar nas vésperas da prova e acabam se esquecendo com facilidade de conteúdo. “Muita gente é motivada, mas não tem um bom método de revisão. Eles estudam e depois não lembram o conteúdo. Acredito que é isso que acaba atrapalhando o desempenho da maioria”, pondera.

Repetição e revisão

Para revisar tudo que aprendia, Tassio investiu em cartões de memorização, que ajudaram a testar a memória. “A vantagem é que esse é um método ativo por te forçar a pensar e responder. E você testa o tempo todo não só se aprender, mas se memorizou. Quando você lê, não necessariamente está captando o assunto”, revela.

Mas, para ele, o grande diferencial foi utilizar aplicativos para os cartões. “Era muito bom porque ele gerenciava as repetições que você tinha que fazer por dia e quais assuntos você precisava revisar mais, com base no que você não lembrava. Então, você reforça o que ainda não está fixado e não foca tanto no que já está consolidado”, explica. Tassio ainda complementou o estudo com aulas gravadas e podcasts.

Por Na Prática

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.