Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

Desigualdade salarial: no Google, eram os homens que recebiam menos

Pesquisa realizada pela empresa apontou disparidade

Pesquisas nacionais e internacionais apontam que a desigualdade salarial persiste, com mulheres ganhando menos do que homens em diferentes níveis educacionais e na maior parte das ocupações. Mas entre os trabalhadores do Google estava acontecendo justamente o contrário.

No ano passado, a gigante da tecnologia fez uma pesquisa para descobrir se mulheres e minorias recebiam menos na empresa. Surpreendentemente, acabaram descobrindo que a maior parte das pessoas que ganhavam menos que outras em cargos similares eram homens.

O Google analisa os dados sobre igualdade de remuneração anualmente, de acordo com informações divulgadas em um memorando compartilhado com funcionários em janeiro e divulgado no dia 4 de março.

A análise de 2018 incluiu um recorde de 91% dos empregados da empresa. Foi o primeiro ano em que a pesquisa incluiu novas contratações e mais cargos de nível de entrada.

Após os resultados, o Google decidiu reduzir a disparidade concedendo uma compensação adicional a 10.677 funcionários. Para isso, a empresa desembolsou US$ 9,7 milhões. Não foi divulgado o número exato de homens que receberam os aumentos salariais.

Por Tecmundo

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.