Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

Descubra como lidar com o medo no trabalho


Em períodos de demissão em alta, é comum encontrar profissionais apreensivos com o trabalho. Há quem tema não cumprir metas, disputar espaço com um profissional mais jovem e arrojado ou perder o emprego porque o cargo pode ser extinto. Algumas situações, como o chefe que mantém a sala aberta e, de repente, chama alguém para conversar a portas fechadas, tendem a aumentar o receio.

O problema é quando esse sentimento gera tanta insegurança que paralisa. “O risco é virar uma ideia obsessiva e atrapalhar o rendimento”, afirma Christiano Moreno, consultor de recursos humanos e professor de liderança e gestão na Fundação Getulio Vargas, em São Paulo. “Por conta da pressão social e familiar, temos medo de perder, de uma hora para outra, tudo o que construímos.”

Nesses casos, a solução é buscar ajuda, conversando com alguém de confiança. Uma boa época para colocar as cartas na mesa é a do feedforward, em que o líder passa orientações para o aperfeiçoamento do liderado. “Esses contatos são cada vez mais frequentes e abertos ao diálogo”, diz Moreno.

É importante compreender também se o medo é imaginário ou real, investigando se suas emoções são embasadas em fatos ou boatos. “Procure controlar a ansiedade e conversar com o chefe”, diz a psicóloga Adriana Prates, presidente da Dasein Executive Search, de Minas Gerais. “Talvez ele não possa falar abertamente, mas dará pistas.”

Vivendo o risco

À medida que crescemos, acumulamos vários medos: de receber críticas, da rejeição dos colegas, de não bater metas. “É importante voltar o foco para seus pontos fortes e entender que os temores podem ser fonte de crescimento”, afirma André Franco, especialista em estratégias comportamentais de alto desempenho. “Ninguém cresce na zona de conforto. É necessária alguma inquietação para que isso aconteça.”

Para usar o medo a seu favor, vale a pena conhecer as causas dele. “Quem tem receio de tirar férias precisa avaliar se está sentindo isso porque deixou de entregar os resultados que deveria.” Já a preocupação excessiva com o desemprego pode embutir a inquietação por perder a influência e o sobrenome corporativo. Isso acontece especialmente com quem se apega à profissão em detrimento da vida pessoal. “Quem não tem amigos, sente mais o impacto”, afirma Adriana Prates. “Ao mesmo tempo, pode ser a chance de olhar ao redor e perceber novos valores.”

Manter-se visível ao mercado é outra estratégia que traz segurança. “Experimente dar palestras sobre um assunto que você conhece bem e busque aprender sobre o que não domina”, aconselha Adriana. E lembre-se: altos e baixos, erros e acertos fazem parta da trajetória profissional.

Saiba equilibrar as emoções

Consultores dão sete dicas para atravessar os momentos de turbulência com mais tranquilidade

  1. Analise seus sonhos, paixões e ambições. Teste novas atividades que podem ajudar a arejar a mente e descobrir gostos.
  2. Pesquise e ouça histórias de pessoas que passaram por situação semelhante e tire lições delas. Procure trocar experiências e pedir ajuda.
  3. Trace pequenos planos no papel, com caminhos possíveis e ações para o caso de algo dar errado.
  4. Evite a ideia fixa do emprego perfeito.
  5. Enxergue o medo não como um inimigo, mas um aliado – é sinal de que algo o incomoda e precisa ser avaliado.
  6. Converse com amigos, familiares, profissionais que podem ajudá-lo a elencar seus pontos fortes.
  7. Acredite mais na sua capacidade de realizar – isso reduz o medo e eleva a autoestima.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.