Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
Conheça a produtividade sustentável, um antídoto à síndrome de Burnout
Promovido pela Cia de Talentos e Bettha.com, o evento online RESET discutiu tendências para o futuro do trabalho e teve a participação de celebridades como a cantora Anitta e a influenciadora Viih Tube
Tempo de leitura: 4 min


(SIphotography/Thinkstock/Thinkstock)

A cantora e empresária Anitta contou, no último dia 29, sobre sua atuação como e Head de Criatividade e Inovação da Skol Beats, no RESET, evento online organizado pelo Grupo Cia de Talentos e pela startup Bettha.com.

“A Beats é uma marca jovem e isso ajuda muito na hora de conseguir botar coisas em prática no meio do caminho, ter essa flexibilidade de tentar”, disse Anitta à Sofia Esteves, fundadora e presidente do conselho do Grupo Cia de Talentos e moderadora do painel. “Gosto muito de não ter medo de arriscar, de tentar uma coisa nova, e se não deu certo, bola pra frente”.

Daniel Wakswaser, VP de Marketing da Ambev, também participou da conversa e elogiou a atuação da cantora. “A inovação é uma ciência muito inexata, não é algo que você sabe que vai dar certo”, disse Daniel. “E a Anitta desafia muito a gente, ela discorda, concorda, ela é uma parceira perfeita”.

Mas essas conquistas não vieram da noite para o dia. “O mais difícil para mim foi vencer o preconceito, sempre tive muita gente me subestimando e me estereotipando”, contou Anitta. “Sempre tinha alguém que me desrespeitava, me chamava de funkeira, burra, você se sente horrível sendo excluído assim”.

“A gente precisa respeitar nosso dom e ao mesmo tempo se desafiar para ser melhor todos os dias, isso é o fundamental”, concluiu Sofia Esteves no painel, o primeiro de 6 que aconteceram durante a tarde.

Confira mais alguns destaques do que rolou no RESET.

Inclusão e diversidade

No painel Causa para quem não quer só causar, Sasha Vilela, produtora de conteúdo e mulher trans, comentou sobre a inclusão do público LGBTQIA+ nas empresas junto com Glenda Moreira, fundadora da consultoria IKIGAI. “Já passou da hora das empresas pararem de falar e começar a fazer, precisamos debater, sim, mas precisamos começar a agir e conseguir ter pluralidade, fazer isso acontecer”, disse Sasha.

Produtividade sustentável

“Você pode vestir a camiseta da empresa, desde que você vista também seu pijama”, disse Izabella Camargo no painel “Sem tempo, irmão”. A jornalista e escritora comentou nesta tarde sobre a produtividade sustentável, um conceito que desenvolveu depois de ter tido um burnout – justamente quando escrevia um livro sobre a sensação de não ter tempo.

“Se não pararmos para analisar como produzimos e se é sustentável ou não, o que vamos garantir no futuro é o adoecimento”. Também participou do painel Gabriela Onofre, CMO da unico IDtech, que patrocinou o RESET. Ela comentou sobre aprendizados que teve ao longo de sua carreira em grandes empresas e agora à frente de uma startup. “Aprendi uma coisa muito bacana com uma mentora que tive: a gente pode ser tudo, só não para ser ao mesmo tempo”, comentou.

Cancelamento virtual

A youtuber e influencer Viih Tube foi outra convidada do RESET a compartilhar histórias pessoais. Ela lembrou dos cancelamentos que já sofreu na internet e de sua participação no BBB para dar dicas aos jovens que querem produzir conteúdo nas redes. O principal conselho? Não deixe de ser você mesmo por medo. “Quando o medo toma conta da gente, a gente sai do nosso próprio eixo”, disse a youtuber. “Então não se apegue a números, se apegue a pessoas, ao conteúdo e não deixe de ser você pra fazer o que tá na moda”.

Vulnerabilidade e mindfulness

Outra vítima do burnout, o vice-presidente da Cisco Laércio Albuquerque contou sobre como a experiência o fez aprender a se abrir para os outros. No painel “Namastê ou Namastreta” também participou Alan Pogrebinschi, diretor na Escola de Mindfulness Funcional.

Laércio contou como, em seu melhor momento de carreira, quando a Cisco atingia resultados recordes em meio à pandemia, ele teve uma arritmia e teve que se internar. “Tive medo de contar para a família, vergonha, até que um dia resolvi mostrar o que aconteceu e quem sou e foi absurdamente libertador”, disse. Segundo ele, foi quando percebeu que as pessoas não estão procurando super-heróis, mas “super-humanos”.

Vozes plurais

Quando tinha 6 anos, Kellen Julio, Head de Diversidade e Inclusão na Globo, ficou impressionada quando viu um parque na zona sul do Rio de Janeiro. Diferente da periferia onde Kellen morava, o parque era bem cuidado e bonito. “Ali, foi a primeira vez que tive a noção do que era a periferia e o abandono do poder público”, disse ela no último painel do RESET.

Ricardo Mota, Head de Diversidade e Inclusão, moderou o painel “Vozes Plurais. A importância de ser quem somos”, também com Helen Pedroso, Diretora de Relações Institucionais na Rede Brasil do Pacto Global e Kellen Julio. Os três dividiram as histórias pelas quais passaram, marcadas por preconceitos, mas também por vitórias.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.