Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

Com home office e salário em dólar, startup contrata engenheiros no Brasil

O trabalho na Brex será 100% remoto e os funcionários receberão ações da empresa, avaliada em mais de US$ 2,6 bilhões


A startup americana Brex, criada por dois brasileiros em 2017, abriu novas vagas para engenheiros brasileiros em plena pandemia. O cofundador da empresa, Henrique Dubugras, anunciou a notícia em sua página no LinkedIn na noite de segunda-feira, 6. Segundo o empreendedor, os contratados trabalharão em regime 100% remoto, receberão ações da companhia e um salário a partir de 50.000 dólares por ano.

Não há um número específico de vagas, a empresa vai contratar todos os profissionais que julgar qualificados. “Se forem 100 profissionais, vamos contratar os 100”, diz Dubugras.

O negócio, avaliado em 3 bilhões de dólares, ficou conhecido por oferecer cartões corporativos para outras startups e empresas de inovação. Para as novas posições no time de engenharia de produto, a empresa busca profissionais para trabalhar com as linguagens de programação Elixir, Go, Python e React. Não saber alguma linguagem não é um problema para a candidatura. A startup se preocupa mais com as habilidades gerais de engenharia e está disposta a ensinar os novos contratados.

A única coisa que a empresa não abre mão é do inglês: como a sede é nos Estados Unidos e boa parte dos funcionários não é brasileira, o candidato precisa dominar o idioma em texto e fala. Os currículos também precisam ser enviados na língua.

Habilidades necessárias

Em publicação no blog interno, a companhia afirma que está buscando pessoas com uma formação sólida ou muito interesse em construir novos produtos e ferramentas. Para a startup, é importante que o candidato saiba lidar com ambientes em movimento e que fique confortável em um contexto em que precise aprender novas tecnologias e exercer novas funções.

Os profissionais contratados terão de trabalhar remotamente em conjunto com a equipe de tecnologia, que hoje fica sediada em São Francisco, nos Estados Unidos. Além de desenvolver produtos e ferramentas novas, os engenheiros brasileiros precisarão ajudar a aprimorar a experiência do usuário com os produtos, colaborando com especialistas de design, produtos e operações.

A empresa afirma valorizar pessoas que sejam generalistas e trabalhem para resolver os problemas do dia a dia e agradar aos clientes. A Brex também valoriza profissionais capazes de colaborar com pessoas com diferentes experiências e conhecimentos. Hoje, há funcionários de mais de 30 nacionalidades, com metade da empresa trabalhando fora de seu país de origem.

Para selecionar pessoas com esse perfil, a startup faz um processo criterioso de entrevista. A primeira fase é uma análise de currículo. Se o candidato apresenta a experiência necessária para a posição, é feita uma entrevista por telefone. “Perguntamos qual a coisa mais complexa que a pessoa construiu, para entender como ela pensa”, afirma Dubugras. A etapa final é relativa à cultura da companhia, para avaliar se a pessoa se encaixa com os valores da empresa.

Esta é a primeira experiência de contratação 100% remota da Brex. Com a pandemia de coronavírus, os sócios perceberam que suas equipes trabalham bem de casa e decidiram dar uma chance ao modelo, começando pelo Brasil. “Ainda não decidimos, enquanto empresa, quão remotos seremos a longo prazo”, diz Dubugras.

O processo seletivo está aberto neste site.

História da empresa

A Brex foi fundada por Henrique Dubugras e Pedro Franceschi em 2017, no Vale do Silício. Os sócios tiveram a ideia para a companhia quando estavam cursando ciência da computação na Universidade Stanford e perceberam que conseguiriam criar um jeito mais fácil para dar crédito a outros empreendedores.

Com um modelo de cartão de crédito para startups, a empresa conseguiu atrair clientes como Airbnb e Class Pass e foi considerada a empresa mais inovadora do setor financeiro na edição anual da lista de 2020 da revista americana Fast Company.

O sucesso não é inédito. Antes da empreitada nos Estados Unidos, quando tinham 17 anos, os jovens criaram no Brasil a fintech de meio de pagamentos Pagar.me, vendida para a Stone em 2016.

Investimentos

Apostaram na Brex, além dos fundos Greenoaks Capital, DST Global, Kleiner Perkins e a aceleradora Y Combinator, os empreendedores Peter Thiel e Max Levchin, fundadores do PayPal.

Em maio de 2020, a companhia levantou mais de 150 milhões de dólares, em uma extensão da sua rodada de série C, liderada pelos fundos DST Global e Lone Pine Capital. No total, a empresa recebeu 465 milhões de dólares em investimentos desde sua fundação.

Após a rodada, no final de maio, a companhia demitiu mais de 60 pessoas, cerca de 17% de seu total de funcionários, por causa da desaceleração causada pela crise do coronavírus. As áreas mais afetadas foram vendas e atendimento, mas Dubugras afirma que a empresa seguiu contratando para as áreas de engenharia.

Segundo o empreendedor, a crise, de modo geral, afetou mais a empresa em março, no começo da pandemia. Agora, com as pessoas percebendo que podem migrar para modelos digitais de banco, o negócio cresce mais do que antes. “As pessoas perceberam que ter coisas no online é bem mais importante”, diz o cofundador.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.