Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

Brasil lidera redução salarial na América Latina, diz PageGroup

Em pesquisa exclusiva do PageGroup, Brasil se destaca na redução de salários e na baixa adesão ao home office


Com a medida provisória 936, mais de 10 milhões de brasileiros já tiveram redução de jornada e salários ou suspensão de contrato durante a pandemia do coronavírus.

Essa alternativa do governo para preservar empregos durante a crise virou um destaque na pesquisa do Page Group “Aprendizados e Tendências do covid-19 na América Latina”, divulgada com exclusividade para a EXAME.

No levantamento, o Brasil aparece como líder na redução salarial na América Latina. No país, 11,8% apontaram a redução no salário como medida para enfrentar a crise, enquanto na América Latina ela é adotada por 7,1%.

A redução de jornada representa 7,8% das respostas contra 4,2% na região.

Patrick Hollard, diretor executivo do PageGroup para América Latina, África e Oriente Médio, explica que o dado mostra a alta inclinação dos executivos brasileiros em adotar essas práticas por estarem previstas na MP 936.

“Como há um respaldo jurídico, os empresários encontraram o suporte necessário para manterem suas operações ativas durante a pandemia”, analisa.

A pesquisa foi realizada em abril com 3 mil executivos de alta e média gestão no Brasil, Argentina, Chile, Peru, Colômbia e México.

Na reportagem “O Brasil Desempregado”, publicada na nova edição da EXAME, economista apontam que a MP contribuiu para que o cenário de desemprego não fosse maior no país. Segundo cálculos do Ministério da Economia, foram preservados 8,5 milhões de empregos.

No entanto, ainda este ano, o Brasil pode perder 9 milhões de empregos. A previsão é que a taxa de desemprego chegue a 18,7%, segundo um estudo inédito da Fundação Getúlio Vargas (FGV), algo que não se via pelo menos desde 1992.

Home office

Junto ao Peru, o Brasil também tem os menores índices de adesão ao trabalho remoto. Entre as empresas com mais de 80% da equipe em casa, o Peru apresentou apenas 37% de adesão e o Brasil, 40,5%.

A Argentina foi o único com mais da metade (54,6%) adotando o home office para mais de 80% dos colaboradores. Na região, a adesão ficou em 46,7%.

Segundo Hollard, o despreparo de muitas empresas para atuar remotamente levou a adoção escalonada de trabalho remoto. “Os resultados coincidem com o período da nossa pesquisa, feita justamente nessa fase. Hoje o cenário no Brasil é diferente, com ampla adesão ao home office”, explica ele.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.