Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

Brasil cai (de novo) em um dos maiores rankings de faculdades


Pelo quarto ano seguido, o desempenho do Brasil no QS World University Rankings by Subject, anunciado pela QS (Quacquarelli Symonds), piorou.

O ranking traz as melhores faculdades por área (departamento) de estudo e é um dos mais respeitados pelo mercado de ensino superior. O país perdeu a liderança na América Latina para o México.

Nesta edição, o Brasil teve 13 departamentos de universidades que entraram para top 50 nas 48 áreas analisadas, dois a menos do que em 2017. Dez desses 13 departamentos são da USP, que domina a lista.

Ben Sowter, diretor de pesquisa da QS demonstrou preocupação que vai além do resultado pontual obtido pelas universidades brasileiras nesta edição.

“O problema não é a queda na performance do Brasil esse ano, já que flutuações como essa são comuns. O problema é que vemos uma tendência cada vez mais difícil de reverter”, diz Sowter, por e-mail ao Site Exame.

Ele vê também o Brasil em apuros na área de engenharia. A QS ranqueia universidades em cinco diferentes campos: engenharia química, engenharia civil, engenharia elétrica, engenharia mecânica e engenharia de minas.

“Identificamos quedas significativas na área de engenharia e o corte de 44% no orçamento destinado à Ciência e Tecnologia torna essa situação ainda mais difícil de ser superada”, diz o diretor da QS.

Instituições brasileiras aparecem 27 vezes nas cinco áreas, mas em apenas caso teve melhora: a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, passou da posição 301-350 para 251-300.

Publicado desde 2011, o ranking usa a mesma metodologia desde 2015. Não é a primeira vez que o México leva a melhor do que o Brasil na lista. “Na edição de 2016 do ranking, o México possuía um departamento a mais do que o Brasil entre os top 50. Nos últimos quatro anos, vimos as duas nações competirem pela liderança”, diz Sowter.

Estas são as boas notícias para o Brasil

A área de odontologia é destaque positivo, com cursos em três universidades. “Talvez a melhor notícia é que o Brasil ainda possui ótimos departamentos de odontologia”, diz o diretor da QS. Três dos 50 melhores do mundo, são daqui.

As maiores forças para o Brasil no ensino superior, no entanto, são agricultura e silvicultura (16 universidades ranqueadas), medicina (15 universidades ranqueadas) e ciência da computação (10 universidades ranqueadas). Ao todo, as universidades brasileiras aparecem 211 vezes nos rankings e estão presentes em 43 das 48 áreas analisadas.

Outro fato a se comemorar é que a USP não perdeu nenhuma área no ranking na comparação com a última edição.

As melhores áreas de estudo no Brasil, segundo a QS:

Áreas (departamentos) de estudo Posição em 2017 Posição em 2018 Universidade
Antropologia 42 46 Universidade de São Paulo
Antropologia 49 50= Universidade Federal do Rio de Janeiro
Arquitetura 35 28 Universidade de São Paulo
Arte e Design 42= 31= Universidade de São Paulo
Línguas Modernas 51-100 42= Universidade de São Paulo
Engenharia de minas 25 33 Universidade de São Paulo
Agricultura & Silvicultura 35= 36 Universidade de São Paulo
Odontologia 18 15= Universidade de São Paulo
Odontologia 27 31 Universidade Estadual de Campinas
Odontologia 33= 37 Universidade Estadual Paulista ” Júlio de Mesquita Filho”
Veterinária 38 47 Universidade de São Paulo
Direito 50= 50 Universidade de São Paulo
Esportes 31= 20 Universidade de São Paulo

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.