Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

A nota que o brasileiro dá para sua relação com o trabalho não é tão baixa


Você divide bem seu tempo entre vida profissional e pessoal? Se sim, você pertence a uma maioria que acredita que possui um equilíbrio entre as duas.

No Mapa da Qualidade de Vida 2018, pesquisa realizada pela Viva Real, 65% dos entrevistados avaliaram bem o equilíbrio de sua vida pessoal em relação ao trabalho, dando notas a partir de 7, numa escala de zero a 10.

A média geral obtida pela pesquisa foi de 6,3. A empresa do grupo ZAP realizou a primeira edição da pesquisa com quase 4 mil residentes de 12 capitais brasileiras.

Porto Alegre e Curitiba foram as cidades com maior satisfação com sua qualidade de vida em relação ao emprego, com notas médias de 6,4 e 6,8, respectivamente. Residentes de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte indicaram nota média de 6,2.

As respostas não tiveram diferenças significativas entre os gêneros. No entanto, as notas médias variam entre faixas etárias e de renda. Conforme aumenta a renda, menor fica o peso do trabalho na vida da pessoa.

Os jovens, com 18 a 34 anos, estão mais insatisfeitos com a divisão de tempo dentro e fora do escritório, dando nota média de 6,2. Para os mais velhos, com 55 anos ou mais, a média é 6,6.

Segundo Cristiane Crisci, gerente de inteligência de mercado do Grupo ZAP, o objetivo da pesquisa era observar os fatores que interferem na qualidade de vida das pessoas. “Como é a primeira edição da pesquisa, só conseguimos medir o momento atual. Pretendemos amplia-la na próxima edição e começar um real diagnóstico”, explica.

Horário fixo é regra para 53% dos entrevistados

Para a gerente, um fator de destaque é o modelo de trabalho: 1 em cada 3 pessoas usufrui de jornada flexível. A maioria, 53%, respondeu que ainda precisa cumprir horário fixo, enquanto 15% responderam que têm o benefício do home office e apenas 2% já trabalharam em espaços compartilhados (coworking).

A tendência de aumento de alternativas ao expediente de horário leva Cristiane Crisci a crer numa possível mudança desses números nas próximas edições das pesquisas. Ela dá como exemplo o escritório do Viva Real, onde os funcionários podem fazer até dois dias de home office. “Todos concordam que a produtividade aumentou”, fala.

Oportunidade de emprego em baixa

A avaliação da oferta de emprego nas 12 cidades teve média geral baixa: de 4,3. A pesquisa vale para algumas das maiores capitais do país: São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e Vitória.

A média para jovens fica um pouco acima da média geral, com nota 4,7. Enquanto para os idosos (60 anos ou mais), ela cai bastante, para 2,7.

Em geral, a população vê com pessimismo as oportunidades profissionais no país. A gerente de inteligência de mercado vê essa estatística como muito forte e uma influência da alta taxa de desemprego. “Conforme a economia se recuperar e mais pessoas estiverem empregadas, as pesquisas futuras terão um cenário diferente para mostrar”.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.