Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará

7 carreiras promissoras para 2018 em saúde e farmácia


Último a sentir os efeitos da crise e o primeiro a sair dela. Essa é a particularidade do setor de saúde e farmácia no Brasil, segundo o diretor da consultoria de recrutamento EXEC, Tadeu Gualtieri.

Derradeiro na queda porque o pior momento da retração chegou apenas no primeiro semestre. Ligeiro na recuperação com sinais de retomada surgindo desde setembro.

O resultado anual será positivo na consultoria. “Na EXEC, o segmento vai crescer entre 7% e 8% neste ano e a nossa expectativa que em 2018 cresça entre 13% e 14%. Projetos na área de saúde e farmácia representam 30% do negócio da empresa.

Para a indústria farmacêutica, posições ligadas a relacionamento com governos e vendas têm boas perspectivas de contratação, segundo a EXEC e a Michael Page. Desenvolvimento de negócios e compliance também estão na lista.

E se o tema é saúde de maneira geral, a consultoria Catho também inclui na lista a carreira de educação física. Veja por que essa e outras carreiras deverão ter demanda em 2018:

Profissional de educação física/fitness

O que faz: a área possibilita a atuação em diversos campos ligados ao meio fitness. Uma possibilidade é atuação na área de qualidade de vida organizacional, indica a equipe da Catho.

Perfil: graduação em educação física e cursos de especialização na área de atuação.

Por que está em alta: o mercado fitness ganhou destaque, segundo a equipe da Catho, que aposta no caráter promissor dessa profissão e justifica com números. O Brasil é o segundo país com mais academias no mundo: 32 mil, ficando atrás apenas dos Estados Unidos; o quarto em número de alunos: 8 milhões e o décimo em faturamento: 2,4 milhões de dólares, segundo IHRSA, Associação Internacional do Mundo Fitness.

Farmacêutico

O que faz: atua na indústria, com produção de remédios, pesquisa e desenvolvimento, controle e garantia da qualidade. Também atua em farmácias, com controle e armazenamento de medicamentos e atendimento ao consumidor final.

Perfil: formação em farmácia.

Por que está em alta: o segmento vai bem no Brasil, destaca a equipe da Catho. Segundo a Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), as contratações na indústria farmacêutica aumentaram 20% no último ano. Outro dado da associação é o aumento no faturamento do segmento: 21,7%.

Gerente nacional de vendas

O que faz: gestão da equipe de consultores de vendas e propagandistas, elabora e executa o plano estratégico alinhado com a política de compliance da empresa.

Perfil: profundo conhecedor da área de saúde, profissional buscado é estratégico, mas envolvido com ações de campo, segundo a Michael Page. Também é alguém com visão macro do negócio, capaz de gerir equipes heterogêneas e bem relacionado com médicos, influenciadores, hospitais privados e públicos.

Por que está em alta: mudanças no mercado impulsionam a demanda por esse profissional, essencial no realinhamento que tem sido exigido de empresas, segundo a Michael Page.

Gerente de acesso para indústria farmacêutica

O que faz: responsável pela estratégia de prevalência de produtos. É como um propagandista, faz as visitas, acompanha venda de produtos para esferas públicas, que são os principais compradores.

Perfil: ainda se vê muitos profissionais da área comercial, mas o perfil da carreira está mudando, segundo Tadeu Gualtieri, da EXEC. Ele destaca a preferência por pessoas de áreas mais técnicas, como farmacoeconomia e produtos. “Tem muitos gerentes de acesso que são da área comercial que estão agora em formação nessas áreas”, diz.

Por que está em alta: governos são os principais compradores da indústria farmacêutica por isso há necessidade por esse profissional. “ Essa área de acesso cresceu entre 35% e 40% na comparação com o ano passado”, diz Gualtieri, sobre os projetos na EXEC.

Diretor de governement/ public affairs para indústria farmacêutica

O que faz: sua atuação é parecida com a do gerente de acesso mas aqui o profissional tem a responsabilidade de cuidar da relação com a esfera federal. Seu foco é Brasília (DF).

Perfil: é uma posição de nível de diretoria porque é uma atuação que é crítica para a empresa, voltada para profissionais que sempre trabalharam na indústria farmacêutica.

Por que está em alta: profissional cada vez mais frequente em mercados regulados, segundo Tadeu Gualtieri, diretor da EXEC.

Gerente de business development

O que faz: avalia potenciais parcerias, aquisições de companhias, ativos e divisões.

Perfil: capacidade analítica, conhecimento técnico na área de atuação da empresa. Habilidade de negociação também é um requisito.

Por que está em alta: “existem poucos profissionais como esse no mercado”, diz Gualtieri.

Gerente de compliance para toda indústria de saúde

O que faz: é responsável por garantir que a empresa esteja em dia com obrigações legais, normas e regulamentações.

Perfil: formação em administração, economia, ciências contábeis ou direito com profundo conhecimento das normas e regulamentações do setor de saúde. “Há também espaço para quem vem de outros mercados”, diz Gualtieri.

Por que está em alta: setor de equipamentos médicos é o que mais tem demandado profissionais. “Desde a máfia das próteses, a relação entre fabricantes, distribuidores e hospitais começou a ser questionada. Executivos foram colocados sob investigação e houve intensa troca de cadeiras”, diz Gualtieri.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.