Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
6 táticas para não perder o controle emocional num concurso
Page/Post Excerpt

exame

Entre todos os obstáculos enfrentados por quem vai prestar um concurso público, o descontrole emocional é certamente o mais “democrático”.

O problema naturalmente se apresenta para os candidatos mal preparados, cujo desconhecimento sobre as disciplinas se traduz em estresse e insegurança na hora da prova.

Mas ele também acomete quem estudou freneticamente. “Justamente por ter se preparado tanto, o concursando pode se sentir ainda mais pressionado e cobrado para ter sucesso”, explica Felipe Lima, professor do curso LFG.

A professora Rachel Almeida, do site Concurso Virtual, conta que já viu muitos alunos seus com excelente domínio da matéria serem reprovados por questões psicológicas.

O mal-estar emocional atrapalha a concentração e o raciocínio, o que impede o candidato de usar a sua capacidade máxima para responder às perguntas do exame. “Isso fica muito claro quando, imediatamente após sair da sala de prova, ele percebe os erros que cometeu”, diz a professora.

Por essa razão, continua Rachel, desenvolver uma musculatura psicológica corresponde a mais de 50% da preparação necessária para ser aprovado num concurso público.

É claro que, até uma certa dose, o nervosismo pode ser saudável. Segundo Renata Xisto, psicóloga e coach especializada em concursos públicos, um pouco de ansiedade ajuda a motivar o candidato e tirá-lo de sua zona de conforto.

O “estimulante” vira veneno quando o candidato permite que seu mal-estar tome grandes proporções – e se transforme numa espécie de medo cujas causas ele já não sabe mais explicar racionalmente.

Quer manter a calma nos estudos e na hora da prova? Veja a seguir algumas táticas sugeridas por 5 especialistas ouvidos por nós:

1. Aprenda a fazer exercícios de respiração

Para Rachel Almeida, professora do site Concurso Virtual, um método simples para relaxar antes e durante a prova é aprender a controlar a sua respiração. “Quando estamos ansiosos, respiramos mais rapidamente, o que comunica ao nosso cérebro que estamos em perigo”, explica. “Diminuir o ritmo acalma o organismo”.

Uma técnica sugerida pela neurocientista Carla Tieppo, professora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, é expirar no dobro do tempo da inspiração. Se você puxar o ar para dentro por 3 segundos, por exemplo, solte-o em 6.

2. Faça o máximo possível de simulações da prova

Uma tática adotada por alguns candidatos é prestar concursos diversos, mesmo que sejam para vagas aparentemente desinteressantes. Segundo Rachel, a aprovação em qualquer exame, ainda que seja para um emprego que você não deseja assumir, eleva a sua autoestima e neutraliza a crença de que estar entre os classificados é impossível.

Pelo mesmo motivo é importante fazer a maior quantidade possível de exercícios e simulados. “Quando começar a prova, diga para si mesmo ‘Este é apenas mais um exercício de tantos outros que já fiz, ou seja, não é nada demais”, diz a coach Renata Xisto.

3. Seja gentil consigo mesmo

Bem-estar físico e mental estão inevitavelmente entrelaçados. Por essa razão, o equilíbrio emocional depende de cuidados constantes com o corpo. Segundo Rachel, boas noites de sono e atividades físicas regulares ajudam a regular os níveis de cortisol, hormônio relacionado aos níveis de estresse e ansiedade.

Exercitar o corpo também ajuda nos estudos: um estudo da University of Illinois mostra que a prática aeróbica desenvolve partes do cérebro ligadas à atenção e à memória.

Para Felipe Lima, da LFG Concursos, ser gentil consigo mesmo não significa apenas cuidar do corpo: também é preciso manter uma postura mental paciente e generosa. “Procure não ser tão rígido, reconheça as suas pequenas vitórias e saiba persistir de forma otimista”, aconselha.

4. Alinhe expectativas com familiares e amigos

”Muitas vezes familiares e amigos não compreendem a necessidade das horas a fio que a pessoa passa debruçada sobre os livros”, diz Rodrigo Lelis, professor do curso Universo do Concurso-RJ. “Isso para não falar na pressão para que ela seja aprovada, já que está abdicando da vida familiar e às vezes até do emprego para se dedicar aos estudos”.

Para não sucumbir à incompreensão dos demais, é importante chamá-los para uma conversa franca e clara. Em muitos casos, você só terá paz depois que as pessoas à sua volta finalmente entenderem o seu ponto de vista e passarem a respeitá-lo.

5. Não abdique do prazer

A rotina de um concurseiro é difícil e provavelmente exigirá sacrifícios. Isso não significa, porém, que você deva impor privações absolutas à sua vida – ainda mais se for daquilo que lhe faz bem.

Se você gosta de filmes, por exemplo, tente se organizar para assistir a pelo menos um ou dois durante a semana; se adora ir à praia, não deixe de frequentá-la quando possível. “Esses momentos de prazer e relaxamento são fundamentais para aliviar a pressão e não entrar em desespero durante os estudos”, afirma o professor Lelis.

6. Lembre-se de que “existe vida após a prova”

Uma fonte comum de sofrimento desnecessário é a falsa ideia de que a reprovação significa fracasso completo. Para Paulo Estrella, diretor da Nova Academia do Concurso, a felicidade do candidato não pode depender de uma prova.

“A vida segue, outros concursos virão e você será aprovado quando estiver pronto”, diz ele. “Tudo fica mais leve se você tem consciência da dificuldade da sua missão e aceita a situação temporária em que se encontra”.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.