Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
4 táticas para permanecer criativo durante a crise
Page/Post Excerpt

exame

A criatividade é um traço tipicamente associado à forma de ser do brasileiro.

A reputação tem fundamento, até certo ponto. Segundo Gisela Kassoy, consultora em inovação, um estudo conduzido na década de 1990 pelo pesquisador norte-americano Robert Burnside mostra que temos uma facilidade extraordinária para improvisar.

“O brasileiro não é exatamente inovador, no sentido estrito da palavra, porque em geral não altera estruturas nem processos”, diz a especialista. “Por outro lado, tem uma espécie de criatividade adaptativa, isto é, esbanja jogo de cintura e ‘jeitinho’ diante de adversidades”.

Ideias originais – sejam elas realmente inovadoras ou apenas criativas – são valiosas em tempos de crise. O problema é que o estresse e o desânimo trazidos pelo momento econômico jogam contra a imaginação.

“Para ser criativo, um profissional precisa se sentir livre de julgamentos e pressões, o que raramente acontece num contexto como o que estamos vivendo”, explica a consultora Adriana Baraldi, que integra o Fórum de Inovação da FGV (Fundação Getúlio Vargas).

Na prática, o nervosismo dos gestores e o medo de errar inibem soluções que poderiam ser a salvação do negócio.

Mas como driblar esses obstáculos e usar a imaginação na crise? Veja a seguir 4 respostas sugeridas pelas especialistas:

1. Defenda-se do desânimo dos outros

Segundo Gisela, é preciso lutar para não se contaminar pela melancolia geral – ou você acabará sem energia para criar.

“Para se manter positivo, tente se cercar de pessoas jovens, otimistas, que ainda têm gás para trabalhar”, recomenda a especialista. Também é importante investir em lazer e alimentar o seu ânimo com pequenos prazeres cotidianos.

2. Busque movimento

Válida mesmo em tempos de calmaria econômica, esta dica é especialmente pertinente durante a crise. Sua cabeça está começando a se repetir? Mude de posição ou saia do recinto em que você está.

Além de relaxar os músculos, movimentar o corpo ajuda a desprogramar um raciocínio viciado. “Vá para o lado de fora, tome ar e só então volte a pensar”, aconselha Gisela.

3. Olhe para fora

Fazer benchmarking é importante, mas também é essencial observar as práticas de outros setores para se inspirar. De acordo com Adriana, a multidisciplinaridade é um ingrediente básico da inovação.

Trabalha com automóveis? Discuta sobre seus problemas com quem trabalha com cosméticos. Buscar referências “estranhas” ao seu mundo pode ser um impulso precioso para a criatividade quando todas as fórmulas da sua área parecem já ter sido testadas.

4. Faça parcerias

Você não precisa inventar todas as soluções sozinho. Segundo Adriana, a criatividade muitas vezes nasce do trabalho colaborativo, em rede.

“Em vez de se isolar em busca de uma ‘grande ideia’, procure a ajuda de seus colegas de trabalho e pares do mercado”, orienta a consultora. “De uma conversa informal pode surgir uma solução surpreendentemente inovadora”.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.