Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
3 fatores que impedem a ascensão das mulheres na carreira
Page/Post Excerpt

Exame


As mulheres estão estudando mais. Mas, de acordo com dados do IBGE divulgados esta semana, quanto mais a formação acadêmica delas aumenta, maior a diferença salarial com relação aos homens.

O salário não é, contudo, o único problema. Apenas 19% das executivas acreditam que têm as mesmas chances de promoção que homens tão qualificados quanto elas, segundo levantamento da Bain & Co.

A razão para isso? A consultoria Bain conversou com 514 pessoas e mapeou os 3 principais fatores que impedem as mulheres de avançarem na carreira. Confira alguns dos resultados da pesquisa “Sem atalhos: o caminho das mulheres para alcaçarem o topo” divulgada esta semana:

1 Conciliar vida pessoal e profissional

Quase metade (45%) dos entrevistados apontaram o “conflito de prioridades” como o principal fator para que as mulheres não cheguem ao topo da carreira. Para 66% de quem acredita nesta premissa, as mulheres abrem mão da ascensão profissional para ter uma vida mais equilibrada.

E, neste ponto, a família tem um peso importante para este grupo: 55% dos que apostam nesta ideia afirma que as mulheres priorizam mais a família do que o trabalho enquanto 46% acredita que elas são mais bem preparadas para cuidar da família do que os homens.

O perfil de quem optou por este fator explica o que está por trás das opiniões. A maioria dos homens entrevistados (52%) marcou esta opção, enquanto 38% das mulheres que acredita nisso são jovens e ocupam posições juniores, que, provavelmente, estão enfrentando este tipo de conflito no momento, segundo a consultora da Bain.

2 Diferença de estilos

As mulheres em cargos mais elevados na hierarquia , por sua vez, tendem a acreditar que a diferença de estilos entre os gêneros é o que mais atrapalha o crescimento delas na carreira. Ao todo, 41% das entrevistadas apontaram isso como o principal entrave para a trajetória profissional feminina. No total, elas representam 64% do grupo que crê neste fato.

Para 88% do grupo, os chefes são mais propensos a promover ou indicar profissionais com um estilo semelhante ao deles mesmos. Como os homens são maioria nos cargos de liderança, a consequência não poderia ser mais óbvia.

Um dado que pode comprovar esta tese: 24% dos homens que acreditam que a diferença de estilos é um empecilho são presidentes de empresa ou conselheiros.

Por outro lado, segundo 57% dos que optaram por esta explicação, as mulheres falham em fazer menos marketing pessoal.

3 Viés organizacional

Com 23% dos votos, o grupo mais pessimista de todos é composto majoritariamente por pessoas mais jovens e que ocupam posições juniores. Para 50% deles, os líderes homens são mais propensos a promover ou indicar profissionais com um estilo semelhante ao deles.

Trinta e sete por cento de quem integra este grupo também acredita que algumas posições e setores são mais coerentes com homens e para 35%, há menos mulheres com experiência necessária.

“Pela idade e inexperiência, as pessoas desse grupo precisariam ver mais exemplos de mulheres em lugares de liderança para apreciar um estilo alternativo de direção”, afirma o estudo da Bain.

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.