Av. Senador Lemos, Umarizal, Belém/Pará
15 dados da relação do profissional brasileiro com a ética
Page/Post Excerpt

exame

A maioria dos brasileiros ficaria de boca fechada se visse algo antiético ser praticado no seu ambiente de trabalho.

Pelo menos é o que aponta uma recente pesquisa do CPDEC (Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Educação Continuada), em parceria com o NEIT (Núcleo de Economia Industrial e Tecnologia da Unicamp), que ouviu mais de 800 funcionários de empresas públicas, privadas ou de capital misto.

Segundo o estudo, nada menos que 90% dos profissionais se calariam se observassem uma conduta inapropriada. O dado é significativo – sobretudo num momento em que as discussões sobre ética ganham fôlego na sociedade brasileira.

A corrupção, aliás, aparece no estudo: 48% dos entrevistados afirmam que seus empregadores dão contribuições impróprias a agentes governamentais com frequência ou às vezes.

As razões para preferir o silêncio diante dos malfeitos vão do medo de retaliação por parte de gestores e colegas à convicção de que nenhuma medida corretiva seria aplicada.

Veja os dados:

76% das empresas, entre privadas e públicas, têm códigos de ética.

66% das empresas oferecem ferramentas anônimas para funcionários reportarem condutas antiéticas.

90% dos profissionais não reportariam condutas antiéticas no ambiente de trabalho.

92% dos profissionais não se manifestariam por medo de que a confidencialidade seja quebrada.

97% dos profissionais não se manifestariam por medo da retaliação de gestores ou colegas.

94% dos profissionais não se manifestariam por crer que nenhuma medida corretiva seria tomada.

85% das empresas praticam ações de discriminação (racial, sexual, etc.) com frequência ou às vezes, segundo os funcionários.

48% das empresas dão contribuições impróprias para agentes governamentais com frequência ou às vezes, segundo os funcionários.

69% das empresas manipulam dados e informações financeiras para mascarar resultados, segundo os funcionários.

59% das empresas mentem para os clientes, fornecedores e público em geral com frequência ou às vezes, segundo os funcionários.

20% dos profissionais já viram colegas praticarem bullying ou assédio (moral ou sexual) frequentemente ou às vezes.

59% dos profissionais já viram, ao menos uma vez, roubos ou furtos no ambiente de trabalho.

41% das empresas já propuseram pelo menos uma vez reuniões em locais impróprios, como bares ou casas noturnas, segundo os funcionários.

62% dos profissionais já viram colegas usarem recursos da empresa para fins pessoais frequentemente ou às vezes.

81% dos profissionais acham que, nos últimos 5 anos, aumentou a ocorrência de condutas antiéticas em organizações de capital misto ou autarquias.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.